Detalhes da abertura do Inquérito Arquidiocesano do processo de Marcelo Câmara

Neste domingo, dia 8 de março, às 15h, no Santuário Sagrado Coração de Jesus, no bairro dos Ingleses, no norte da Ilha, em Florianópolis, haverá a solene abertura do processo sobre a vida, virtudes e fama de santidade do jovem Servo de Deus Marcelo Henrique Câmara.

Sessão de Abertura do Inquerido Arquidiocesano

Num primeiro momento, haverá a solene instalação do Tribunal Arquidiocesano para o Inquérito sobre a vida, virtudes e fama de santidade. O Postulador da Causa apresentará o pedido para o início do processo.

Após análise do mandado do Postulador, e a aceitação do Arcebispo Metropolitano, o Chanceler da Cúria Metropolitana lê a carta da Congregação da Causa dos Santos que responde não haver nada que impeça o início da causa. O Arcebispo Metropolitano, Dom Wilson Tadeu Jönck, decreta o início da causa e constitui o Tribunal Arquidiocesano, com a leitura dos decretos de nomeação.

Com a aceitação da missão recebida, todos os nomeados, juntamente com o próprio Arcebispo e o Postulador da Causa, manifestam o compromisso de realizar com fidelidade e a observar o segredo de ofício, prestando o juramento.

O Postulador entrega ao Arcebispo e ao seu Delegado o elenco com as testemunhas a serem ouvidas, bem como demais documentos relativos à Causa.

Para a instalação do tribunal, bem como para a exumação dos restos mortais acontecida dias atrás, contamos com a assessoria do postulador da fase romana, Paolo Vilotta, e sua equipe, responsável, no Brasil, pela causa de mais de 50 servos de Deus, além da causa de Santa Dulce dos Pobres e do recém beatificado Pe. Donizeti.

Sobre a missão do Tribunal, da Comissão Histórica e dos Teólogos Censores

Caberá ao Tribunal Arquidiocesano coletar os depoimentos de testemunhas acerca da santidade de Marcelo, do exercício heroico das virtudes cristãs (teologais, cardeais e outras) e de relatos de graças alcançadas.

Entrementes, uma Comissão Histórica deverá fazer a coleta de todos os escritos do Servo de Deus, da transcrição de suas palestras, em retiros, programas de rádio e escolas de formação, sobretudo em favor da juventude do Movimento de Emaús.

Aos Teólogos Censores cabe a análise desses escritos para conferir se estão adequados à fé e à moral da Igreja. Todo esse trabalho poderá ter a duração de cerca de dois anos.

Celebração Eucarística

Após a Sessão de Abertura do Inquérito, celebra-se a Santa Missa, presidida pelo Arcebispo, Dom Wilson, e concelebrada pelo Bispo Auxiliar emérito, Dom Vito, e pelos padres presentes. Será a missa do 2º. Domingo da Quaresma, cujo evangelho relata a cena da Transfiguração do Senhor.

Sobre a exumação, reconhecimento dos restos mortais e seu translado

Ao final da missa, faz-se o reconhecimento canônico dos restos mortais de Marcelo, que foram exumados do Cemitério do Itacorubi e colocados em urna de acrílico. Após o reconhecimento canônico feito pelo Arcebispo, serão postos em urna de madeira, para serem trasladados para uma sepultura de mármore na lateral direita do santuário, para a devoção particular dos fiéis. Foi na Paróquia dos Ingleses e, portanto, também neste santuário, que Marcelo exerceu sua missão de ministro da distribuição da Eucaristia e de catequista de adultos.

Em virtude da abertura do processo de beatificação/canonização de algum servo de Deus, a Igreja considera a oportunidade de exumar seus restos mortais e trasladá-los para um local adequado, em vista de acesso fácil à comunidade dos fiéis.  Assim conta no Apêndice da Instrução Sanctorum Mater (a Igreja, mãe dos santos) da Congregação para as Causas dos Santos: “Para que as relíquias de um Beato ou os restos mortais de um Servo de Deus sejam mais acessíveis à devoção do povo de Deus, pode ser oportuno que sejam trasladadas de modo definitivo a um lugar diferente daquele onde estão (por exemplo, de um cemitério a uma igreja ou capela)” (Art. 9, § 1).

Por: Pe. Vitor Galdino Feller, postulador da causa do Servo de Deus Marcelo Câmara

Fonte: Arquidiocese de Florianópolis.